Uncategorized

Galera, cuidado com a Síndrome de Burnout hein

Para médicos e psicólogos a síndrome não é novidade, mas o aumento no número de casos vem chamando a atenção. Muitos que isso é frescura, mas a situação é real. Causada pelo estresse ocupacional a Síndrome de Burnout foi identificada na década de 70 e é caracterizada principalmente pela exaustão emocional, irritabilidade e agressividade. Por estas características a síndrome recebeu a denominação Burnout do inglês, onde é burn (queima) e out (fora), reforçando a imagem da pessoa consumida pelo estresse e pronta para emitir respostas explosivas.

Sintomas

A principal característica da síndrome é a insensibilidade na relação com os outros. A pessoa passa a tratar os colegas de trabalho de forma grosseira, agressiva e muitas vezes com certa dose de cinismo.
É o caso de médicos, enfermeiros, psicólogos, professores, policiais. A psicóloga Adriana de Araújo explica que o problema é sempre relativo ao mundo do trabalho e afeta principalmente os profissionais obrigados a manter contato próximo com outros indivíduos e dos quais se espera uma atitude, no mínimo, solidária com a causa alheia.

Os sintomas costumam ser divididos em três grupos:

  • Os sintomas emocionais que envolvem avaliação negativa de si mesmo, esgotamento, impotência e baixa auto-estima.
  • Os sintomas físicos como fadiga crônica, dores de cabeça, insônia, hipertensão, taquicardia, dores musculares, lapsos de memória.
  • As alterações comportamentais como maior consumo de álcool e remédios, faltas constantes, baixo rendimento, cinismo, impaciência, onipotência, dificuldade de concentração, baixa tolerância a frustração, agressividade e comportamento paranoico.

Fatores de risco

Qualquer pessoa pode desenvolver a síndrome de Burnout mas acredita-se que o transtorno é mais comum em pessoas que apresentam características de personalidade como: autocrítica excessiva, idealismo elevado, excesso de dedicação, alta motivação, perfeccionismo e rigidez.
A psicóloga Patrícia Pereira, ressalta que em geral são indivíduos que gostam e se envolvem com o que fazem, não medindo esforços para atingir seus próprios objetivos e os da instituição em que atuam.
Este tipo de comportamento é reforçado e até desejado pela maioria das empresas e quando aliado à pressão e à competitividade comuns nos dias de hoje, o ambiente corporativo pode acabar criando condições para o adoecimento das pessoas pré-dispostas, ressalta a psicóloga.
Outros fatores circunstanciais como problemas de relacionamento com chefes ou colegas, conflito familiares envolvendo o trabalho, sentimento de desqualificação e falta de cooperação da equipe também podem estar por trás do desenvolvimento da síndrome.
Algumas pesquisas sugerem que a síndrome mostra-se mais freqüente nos primeiros anos de vida profissional e costuma atingir mais as mulheres, possivelmente em virtude da dupla carga de trabalho.

Síndrome de Burnout: o esgotamento no trabalho pode deixar você doente

Leave a Reply